Petrobras X BP – O impacto dos acidentes

21 08 2011

Olá Leitores do Estrategiando.

Desde sexta-feira 19/08/2011, A Petrobras comunicou o desaparecimento de um helicóptero que decolou da plataforma da Petrobras, P-65, na Bacia de Campos.

A Petrobras recomendou que todas as aeronaves do mesmo modelo permaneçam em solo. Hoje, aconteceu uma reunião entre representantes da Companhia e representantes da empresa fabricante do helicóptero, que vieram da Itália.

Nesta tarde a Petrobras comunicou que a aeronave foi localizada com 3 dos 4 ocupantes.

Os detalhes das buscas e os nomes dos ocupantes podem ser conferidas nos links que adicionei neste post. (afinal, vocês sabem que o objetivo do blog é outro).

Assim, vamos fazer nossas análises em relação aos impactos para a Petrobras deste acidente ocorrido na Bacia de Campos – RJ e comparar com o ocorrido no Golfo do México com a empresa BP – British Petroleum (leia aqui).

Pois bem, os acidentes possuem características completamente diferentes e amplitude também. Um envolvendo a vida de pessoas e outro o impacto ambiental como características principais.

Para o caso BP sabemos que os impactos financeiros causados à empresa foi terrível fazendo com que seu valor de mercado despencasse no mercado financeiro e que provavelmente eles ainda levem alguns anos (talvez décadas) para se reposicionar no mercado novamente. (A petrobras passou por algo parecido, com proporção infinitamente menor anos atrás com o vazamento de óleo na Baía de Guanabara no RJ ).

Mas e para a Petrobras, qual será o impacto?

Felizmente a gigante brasileira mostra a cada dia que existe consistência em suas estruturas para estar entre as maiores do mundo. Diversos prêmios recebidos por seus executivos demonstram que há consistência para suportar o crescimento e a pressão que o mercado exige.

Acredito que este acidente não afetará em nada o mercado financeiro nesta segunda-feira pois a gigante tupiniquim vem demonstrando desde o comunicado do desaparecimento da aeronave total envolvimento, disponibilizando toda a infra-estrutura necessária para localização e resgate dos passegeiros e tripulantes do helicóptero.

E quais as consequências para as empresas Engevix e Brasitest? E para a Sênior, dona do helicópetro?

Vamos aguardar o fechamento das operações financeiras de segunda-feira para saber se minha percepção está correta.

Um abraço.

Aos familiares das vítimas, minhas condolências.

Anúncios




Gigantes petrolíferas criam projeto de US$ 1 bilhão contra vazamentos

21 07 2010

Grandes empresas petrolíferas, incluindo Exxon Mobil e Shell, vão gastar US$ 1 bilhão para desenvolver um novo sistema de contenção de vazamentos no Golfo do México. O projeto, organizado em resposta ao trágico vazamento da BP, será criado com vistas a profundidades superiores a 3.000 metros e terá a capacidade inicial de conter até 100.000 barris (15,9 milhões de litros) de petróleo ao dia. O sistema, que estará disponível para uso no máximo 24 horas após o alerta de vazamento, será usado numa ampla gama de equipamentos e sob diversas condições climáticas. Também terá a possibilidade de expansão. Consistirá de um equipamento submarino especialmente projetado e dotado de conectores para se prender a navios que irão acumular o óleo liberado. Exxon, Shell, ConocoPhillips e Chevron Corp formarão uma organização sem fins lucrativos, a Marine Well Containment Company, para operar e manter o sistema. O grupo absorverá todos os custos.

Fonte: Estadão

Leia mais sobre o assunto aqui.

Obrigado 😉

Don’t Give Up!






Uma utilidade para as Vuvuzelas

6 07 2010

Para quem odeia as cornetas sul-africanas, para quem não agüenta mais assistir aos jogos com aquele zumbido infernal ao fundo, para quem pragueja a décima geração do inventor dessa maravilha, uma boa notícia: as vuvuzelas terão, enfim, uma utilidade!

Elas serão usadas para causar 24 horas de sofrimento auditivo à British Petroleum, empresa responsável pela plataforma que explodiu no Golfo do México.

A Dynamic Vuvuzela Deployment Operation 2010 foi criada por Adam Quirk, um americano que se revoltou com a quantidade de dinheiro que a empresa está gastando em relações públicas. “A BP não está sentindo a dor que está causando no Golfo. A BP está gastando milhões em RP. Para colocar um pouco mais de pressão pública neles, nós planejamos comprar 100 vuvuzelas e convocar 100 pessoas no Craigslist para soprá-las em frente à sede internacional da BP em Londres para um flahs-mob de um dia”, escreveu ele.

Em um site criado especialmente para isto, Quirk já conseguiu bem mais do que os dois mil dólares necessários para a ação. A data exata do evento, no entanto, só será divulgada em sigilo para quem for participar.

“Eu sei que isto não irá mudar nada, mas irá atrair a atenção de volta à BP”, diz Quirk no site.

Leia mais sobre o acidente ambiental causado pela BP aqui, aqui e aqui.

Fonte: http://info.abril.com.br

Don’t Give Up!